Gerente de Estatística da ANTAQ participa de reunião sobre construção de base de dados da Hidrovia Paraguai-Paraná

Na oportunidade, Fernando Serra encaminhou proposta para construção de um modelo único de recebimento dos dados dos países que utilizam a Hidrovia.
O gerente falou sobre as estatísticas fluviais e a operação dos sistemas de informação da Agência. Fotos: CCS/ARI/ANTAQ.

O gerente de Estatística e Avaliação de Desempenho da Agência Nacional de Transportes Aquaviários – ANTAQ, Fernando Serra, representou a Autarquia nas reuniões da Comissão Econômica para América Latina e Caribe – Cepal e do Comitê da Hidrovia Paraguai-Paraná – CIH, que aconteceram em 31 de maio e 1º de junho último, em Buenos Aires, na Argentina.

Participaram representantes da Bolívia, Paraguai, Argentina e Brasil, Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL), do Fundo Financeiro para o Desenvolvimento dos Países da Bacia do Prata – Fonplata e do Comitê Intergovernamental da Hidrovia (CIH). Além do servidor da Agência, o Brasil também foi representado pela secretária da Embaixada Brasileira em Buenos Aires, Ana Coralina Prates.

O objetivo dos dois encontros foi discutir e angariar apoio dos cinco países ao projeto da CEPAL, que visa a construção de uma base de dados comum para o transporte fluvial nos países da Bacia Platina. A ideia é desenvolver um glossário hidroviário para uniformização da terminologia entre os países que usam a Hidrovia Paraguai-Paraná.

Durante a reunião técnica no escritório da Cepal, os representantes dos países da Bacia Platina presentes fizeram apresentações sobre as formas de coleta e produção de estatísticas do transporte hidroviário, com destaque para dados sobre frota, cargas, infraestrutura de acesso, dragagens, bem como sobre a competência dos órgãos responsáveis pela manutenção dos dados da hidrovia.

Já no encontro do CIH, aberto pela chefe da Unidade de Serviços de Infraestrutura da Cepal, Azhar Jaimurzina, os representantes do Comitê da Hidrovia Paraguai-Paraná fizeram apresentação sobre os acordos internacionais do transporte na Bacia, salientando as dificuldades para integração entre os países que compõem a hidrovia, seja por aspectos legais, ambientais ou por questões de infraestrutura. O assessor da Presidência-Executiva do Fonplata, Pedro Sosa, por sua vez, discorreu sobre os financiamentos alocados pelo Fundo aos países do grupo, que canalizam recursos para portos, infraestrutura de acesso e frotas.

Prosseguindo, especialistas da Argentina abordaram as dificuldades de seu país na produção das estatísticas e a necessidade de reforçar a coleta de dados sobre o transporte na hidrovia, pois cerca de 85% das suas exportações saem pelo sistema Paraguai-Paraná, o que impõe o transporte nesses rios como uma prioridade nacional.

Segundo, Fernando Serra, os presentes elogiaram a base de dados brasileira sobre a hidrovia.

Em sua palestra, Fernando Serra traçou um painel sobre o funcionamento do Sistema de Desempenho Portuário – SDP, que contempla os dados sobre a movimentação portuária brasileira. O gerente da ANTAQ discorreu sobre a coleta das estatísticas, a padronização de terminologia e atributos da base de dados brasileira, o Estatístico Aquaviário e a integração do SDP com outras bases de dados do país.

Serra encaminhou proposta para que todos os países do Grupo disponibilizem suas modelagens de dados. “O objetivo é construir um modelo único de recebimento dessas estatísticas”, explicou o gerente da ANTAQ.

A próxima reunião do CIH sobre a Hidrovia Paraguai-Paraná será realizada em julho próximo, em Brasília.