Mário Povia participa de abertura oficial de evento em Belém sobre logística

Congresso e feira internacional seguem até a próxima quinta-feira (21).
Povia: As águas devem servir para pescar, para a geração de energia elétrica e para a navegação. Fotos: CCS/ARI/ANTAQ.

O diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários – ANTAQ, Mário Povia, participou, ontem (19), da abertura oficial do Trans 2018 – VII Congresso e Feira Internacional de Transporte e Logística Sustentável da Amazônia. O evento acontece em Belém e se encerrará na próxima quinta-feira (21).

Pouco antes da abertura oficial do evento, ainda na Agenda Fenavega, Povia afirmou que a ANTAQ pode contribuir com a Marinha do Brasil em relação à segurança da navegação na Amazônia. “A ANTAQ tem presença, tem capilaridade no Brasil. Temos 14 unidades regionais, além dos postos avançados”, destacou.

O diretor-geral da ANTAQ ressaltou, ainda, que a Agência tem competência para regular o serviço de navegação interestadual e internacional. A navegação estadual é de competência das agências locais. “O ideal é que tenhamos o controle de todas as embarcações. Esse é um ponto de reflexão e já está no radar da ANTAQ a assinatura de convênios com as agências locais para que possamos ter o controle de todas as embarcações”, disse.

Povia afirmou, também, que os acessos aos portos precisam ser melhorados e destacou a dragagem. “Precisamos dragar de forma correta, de forma contínua”, ressaltou. O diretor-geral lembrou ainda os acessos terrestres e citou um convênio entre ANTAQ e a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para incrementar a logística no Porto de Santos. “Os acessos aos portos precisam ter multimodalidade”, frisou.

O diretor-geral defendeu o uso múltiplo das águas e políticas públicas para a logística. “As águas devem servir para pescar, para a geração de energia elétrica e para a navegação.”

No final da Agenda Fenavega, ficou acordada a realização de uma reunião, no dia 14 de agosto, em Brasília. A ideia é convocar diversos órgãos, autarquias e entidades, entre eles, ANTAQ, Marinha do Brasil, Polícia Federal, DNIT e Agência Nacional de Águas, Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis para discutir a segurança da navegação, questões de logística e de gargalos da infraestrutura nacional.