ANTAQ recebe diretor da agência reguladora do Pará

Durante a reunião, foram tratados aspectos básicos para o aprimoramento do Acordo de cooperação técnica, em vigor, entre a ANTAQ e ARCON-PA
Povia, terceiro a partir da direita: quem sai ganhando é o usuário. Fotos: CCS/ARI/ANTAQ.

Na tarde desta segunda-feira (7), o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários – ANTAQ, Mário Povia, acompanhado dos superintendentes e gerentes da Autarquia, recebeu o atual diretor da Agência Reguladora do Estado do Pará, Eurípedes Reis.

Durante a reunião, foram tratados aspectos básicos para o aprimoramento do Acordo de cooperação técnica, em vigor, entre a ANTAQ e ARCON-PA. Além disso, constou também da pauta a união de forças das instituições em prol da qualidade e segurança dos passageiros que usam o transporte fluvial no Pará.

Tradicionalmente, as Agências mantêm estreita parceira na realização de estudos e pesquisas acerca da atividade regulatória, do transporte fluvial de passageiros e cargas na região, entre outros temas de relevância para o desenvolvimento do setor aquaviário.

Na oportunidade, Eurípedes Reis apresentou de forma didática as competências e atribuições da Agência paraense. Destacou o trabalho que tem sido realizado por meio dessa parceria, de longa data, com a ANTAQ, ressaltando que uma de suas preocupações é com a melhoria dos terminais de passageiros e que, para tanto, “contará sempre com o apoio da ANTAQ para o aprimoramento dessa atividade”.

Além de temas afetos às diferenças entre o arcabouço jurídico das duas agências, o diretor-geral da ANTAQ reforçou o apoio na realização das ações conjuntas e na necessidade de ampliar o diálogo entre as agências em prol de melhorar, cada vez mais, os serviços prestados aos usuários da Região Amazônica.

“A ANTAQ preza por estreitar parcerias, como a que mantém com a ARCON, para o desenvolvimento de um trabalho voltado para a segurança e qualidade do serviço prestado, principalmente aos passageiros, – o maior patrimônio da região. No quesito, qualidade e segurança do transporte fluvial, é preciso reconhecer que a ARCON tem aprimorado suas atividades, e quem sai ganhando é o usuário”, destacou Povia.