ANTAQ realizará nesta quarta-feira (7) seminário virtual sobre a Hidrovia Paraguai-Paraná

Evento acontecerá das 15h às 17h. Clique no banner, que está na página principal do site, para acompanhar as apresentações

Nesta quarta-feira (7), a ANTAQ, em parceria com o Ministério das Relações Exteriores, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) e o Comitê Intergovernamental da Hidrovia Paraguai-Paraná, realizará o Seminário Hidrovia Paraguai-Paraná. O evento virtual acontecerá entre 15h e 17h.

O diretor da ANTAQ, Adalberto Tokarski, participará da abertura. Tokarski também fará uma apresentação sobre as estratégias para incrementar a relevância da Hidrovia Paraguai-Paraná como corredor de comércio exterior do Brasil. O superintendente de Desempenho, Desenvolvimento e Sustentabilidade da Agência, José Renato Fialho, irá palestrar sobre o “Estudo da prática regulatória, vantagens competitivas e oferta e demanda de carga entre os países signatários do Acordo da Hidrovia Paraguai-Paraná”, que são Brasil, Paraguai, Uruguai, Bolívia e Argentina.

Haverá ainda apresentações sobre as ações do Comitê Intergovernamental da Hidrovia Paraguai-Paraná, sobre o Sistema de Classificação Fluvial para América do Sul, sobre a integração regional da hidrovia, entre outros assuntos.

Para José Renato Fialho, esse seminário “é uma ótima oportunidade para apresentar o estudo da prática regulatória, vantagens competitivas e oferta de demanda de carga entre os países signatários do acordo da Hidrovia Tietê-Paraná”.

Conforme o superintendente, “o estudo foi muito detalhado e foi baseado em três eixos: o eixo de mercado, que envolveu as trocas comerciais entre os países signatários do acordo; o eixo infraestrutura, que foram verificadas tanto as condições da infraestrutura aquaviária ao longo da hidrovia, mas também a malha de ligação da infraestrutura aquaviária; e o eixo regulatório, que apontou as diferenças regulatórias entre os países signatários”.

José Renato Fialho afirma que a Hidrovia Paraguai-Paraná é um eixo integrador da América do Sul. “É importante que os países discutam as condições de navegabilidade, profundidade, os comboios, entre outros assuntos.”