Estudo da prática regulatória, vantagens competitivas e oferta e demanda de carga entre os países signatários do Acordo da Hidrovia Paraguai-Paraná

O escopo deste trabalho visa fomentar o desenvolvimento da Hidrovia do Paraguai-Paraná, por meio de informações técnicas a respeito da via. Através do levantamento do eixo mercado, elaborou-se a matriz Origem-Destino, identificando as principais trocas comerciais dos países signatários. A partir dos estudos do eixo de infraestrutura, buscou-se a constituição de uma base de dados georreferenciada para os cinco países, que serviu de matriz para estudos de eixos estratégicos. Para o eixo regulatório, foram identificadas todas as legislações referentes à Hidrovia, pertinentes aos países signatários. Isto permitiu, ao estudo, apontar as diferenças entre eles e propor a unificação do Acordo da Hidrovia, possibilitando subsidiar as decisões governamentais dos países envolvidos.

Produto 1A (Market share da Hidrovia e Levantamento do Eixo Mercado)

Produto 1B (Análise dos custos de transporte, levantamento das empresas de navegação e estaleiros)

Produto 2 (Diagnóstico da infraestrutura da Hidrovia e informações da base de dados georreferenciada)

Produto 3A (Diagnóstico da prática regulatória da Hidrovia Paraguai-Paraná;)

Produto 3B (Estudo de caso)

Produto 4 (Matriz de Oportunidades da Hidrovia Paraguai-Paraná)

Produto 5 (Resumo Executivo)

PNIH – Plano Nacional de Integração Hidroviária

O Plano Nacional de Integração Hidroviária (PNIH), lançado no dia 19 de fevereiro de 2013, foi concebido pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ) visando a dois objetivos centrais: um estudo detalhado sobre as hidrovias brasileiras e a indicação de áreas propícias para instalações portuárias. Um dos objetos do PNIH, desenvolvido pela ANTAQ com o auxílio do Laboratório de Transportes e Logística (Labtrans) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), foi analisar diferentes cenários logísticos, buscando avaliar a criação de terminais hidroviários e alternativas de escoamento utilizando as hidrovias nacionais, inserida à matriz de transporte brasileira, a partir de trechos hidroviários já navegados na atualidade ou potencialmente navegáveis. Em suma, são apresentados, para seis bacias hidrográficas, a potencialidade de utilização do modal hidroviário, terminais e vias, para o transporte de cargas, delimitados pelos cenários de 2015, 2020, 2025 e 2030.

Relatórios Executivos:

Bacia do Tocantins-Araguaia

Bacia Amazônica

Bacia do Paraguai

Bacia do Paraná-Tietê

Bacia do São Francisco

Bacia do Sul

Relatórios Técnicos: acesse aqui

Base de Dados Geográficos: acesse aqui

Estudo de Macrolocalização de Terminais Hidroviários no Brasil: acesse aqui

Relatório de Metodologia: acesse aqui

Anexos: acesse aqui

Vias Economicamente Navegadas (VEN)  2016

A Agência Nacional de Transportes Aquaviários – Antaq bienalmente atualiza a matriz hidroviária de origem e destino (O/D) das cargas e passageiros em trânsito nas vias aquaviárias interiores economicamente navegadas. Considera-se Via aquaviária interior Economicamente Navegada (VEN) aquela na qual há ocorrência de transporte por Empresa Brasileira de Navegação (EBN) ou empresa estadual, na prestação do serviço longitudinal de cargas, de passageiros ou misto (passageiros e carga). A inclusão e exclusão de trechos navegados advêm da oferta e demanda de transporte nas localidades identificadas nos registros referentes ao ano de 2016.

Acesse o documento

TKU da navegação interior, de cabotagem e longo curso – 2016

Os indicadores de tonelada útil e TKU são formas de representação quantitativa das hidrovias, uteis para o planejamento, acompanhamento e fiscalização da atividade econômica regulada pela União. A tonelada (t) é definida como sendo o total de carga útil transportada na hidrovia. Já a tonelada quilômetro útil (TKU) é determinada pela multiplicação da tonelada útil transportada pela distância percorrida. A vantagem do TKU sobre a tonelada útil transportada é que aquele considera o esforço empreendido no transporte, tornando mais consistente a comparação intra e intermodal. As informações de tonelagem utilizadas no cálculo dos indicadores foram obtidas das estatísticas de movimentação de 2016 de cargas das instalações portuárias autorizadas pela ANTAQ.

Acesse o documento

Caracterização da Oferta da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Região Amazônica

A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) traz a público os resultados finais da segunda edição do Estudo de Caracterização da Oferta e da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Região Amazônica, realizado novamente em parceria com a Universidade Federal do Pará (UFPA).

Do primeiro levantamento, publicado em 2013, para o presente estudo, evidenciou-se, mais uma vez, a importância do transporte fluvial de passageiros e misto (carga e passageiros) para a Região Amazônica, a principal forma de deslocamento de pessoas e cargas na região.

A malha hidroviária de mais de 16 mil quilômetros de rios naturalmente navegáveis da região amazônica revela-se como um verdadeiro convite ao uso das águas para a integração dos grandes centros regionais, as comunidades ribeirinhas e os portos marítimos e fluviais na dinâmica econômica, social e cultural da Amazônia.Os resultados desse estudo estão publicados nesse portal e servem para aprimoramento das políticas públicas, como também da atuação regulatória da Agência e dos demais órgãos públicos responsáveis pelo transporte aquaviário da região.

Acesse o relatório executivo

Estudo de Assimetria Regulatória entre Terminal de Uso Privativo (TUP) e Porto Público (PP)

Acesse o documento completo

Relatório Executivo da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do Transporte de Passageiros e Misto (passageiros e cargas) na navegação interior da região amazônica.

Acesse o documento